sábado, 6 de julho de 2013

HINO NACIONAL BRASILEIRO/ BRAZILIAN NATIONAL HYMN


Música de Francisco Manuel da Silva



3
1
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
0,25
pausa
DO
FA
MI
FA
SOL
LA
SOL
LA
SIb


1,5
0,5
1
1
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
0,25
SI
DO8
FA
DO
FA
MI
SOL
FA
LA
SOL


0,75
0,25
1
1
1
1
0,75
0,25
0,75
0,25
SIb
LA
FA#
SOL
pausa
DO
SOL
FA#
SOL
LA


0,75
0,25
0,75
0,25
1,5
0,5
1
1
0,5
0,25
SIb
LA
SIb
DO8
DO#8
RE8
SOL
DO
SOL
FA#


0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
0,25
1
1
1
0,75
LA
SOL
SIb
LA
DO8
SIb
SOL#
LA
pausa
LA


0,25
1
1
0,5
0,5
0,75
0,25
1
2
0,5
LA
SIb
LA
pausa
LA
SIB
LA
LA
RE8
DO8


0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
1
SIb
SIb
LA
LA
SOL
SOL
FA
FA
MI
MI


1
1
0,75
0,25
1
1
0,5
0,5
0,75
0,25
RE
pausa
SOL
SOL
LA
SOL
pausa
SOL
LA
SOL


1
2
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
SOL
DO8
SI
LA
LA
SOL
SOL
FA
FA
MI


0,5
0,5
1
1
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
MI
RE
RE
DO
pausa
DO
MI
SOL
SIb
DO


0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
2
1
1
0,75
MI
SOL
SIb
DO
MI
SOL
SIb
SIb
DO
FA


0,25
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
0,75
1,5
0,5
1
MI
FA
SOL
LA
SOL
LA
SIb
SI
DO8
FA


1
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
0,25
1
DO
FA
MI
SOL
FA
LA
SOL
SIb
LA
FA#


1
1
1
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
SOL
pausa
DO
SOL
FA#
SOL
LA
SIb
LA
SIb


0,25
1,5
0,5
1
1
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
DO8
DO#8
RE8
SOL
DO
SOL
FA#
LA
SOL
SIb


0,25
0,75
0,25
2
1
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
LA
DO8
SIb
SOL#
LA
pausa
FA
SOL
FA
MI


0,25
0,75
0,25
0,75
0,25
1,5
0,5
1
0,75
0,25
FA
MI
FA
SOL
FA
FA
SIb
SIb
pausa
SOL


0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
0,25
1,5
0,5
LA
SOL
FA#
SOL
FA#
SOL
LA
SOL
SOL
DO8


1
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
0,25
0,75
DO8
pausa
LA
SIb
LA
SOL#
LA
SOL#
LA
SIb

0,25
1
1,5
0,5
1
0,5
1
1
0,5
LA
LA
RE8
DO8
SIb
SOL
SOL
FA
pausa

0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
MI
FA
SOL
SIb
LA
MI
FA
RE
RE
SIb


0,5
1
1
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
0,5
SOL
SOL
FA
pausa
SOL
LA
SIb
SI
DO8
LA


0,5
1,5
0,5
1
0,75
0,25
1
0,75
0,25
2
FA
RE
SIb
LA
FA
RE
DO
RE
MI
FA




HINO DO ESTADO DE MATO GROSSO


Letra: Dom Aquino Corrêa
Música: Emílio Heine

0,5
0,5
1
0,5
0,5
1
0,75
0,25
2
1
RE
RE
SOL
SOL
SOL
LA
SI
DO8
RE8
SI


0,75
0,25
1
0,75
0,25
1
0,75
0,25
3
0,75
MI8
MI8
RE8
SOL
LA
SI
SI
SI
LA
MI


0,25
1
0,75
0,25
1
0,75
0,25
2
1
0,75
MI
LA
LA
LA
SI
SI
SI
DO8
LA
SI


0,25
1
0,75
0,25
1
0,75
0,25
3
0,75
0,25
DO8
RE8
SOL8
RE8
SI
DO#8
LA
RE8
RE8
RE8


1
0,5
0,5
1
0,5
0,5
2
1
0,75
0,25
RE8
RE8
SI
DO8
SI
LA
LA
SOL
RE8
RE8


1
0,5
0,5
1
0,75
0,25
2
0,5
0,5
1
RE8
LA
SI
DO8
MI8
RE8
RE8
MI
MI
LA


0,5
0,5
1
0,75
0,25
2
1
0,75
0,25
1
LA
LA
SI
MI
MI
DO8
LA
SI
DO8
RE8


0,75
0,25
1
0,75
0,25
3
0,75
0,25
1
0,75
FA#8
RE8
SI
LA
LA
SI
SI
SI
SI
SI


0,25
1
0,75
0,25
2
1
0,75
0,25
1
0,75
SI
DO#8
RE#8
RE#8
MI8
SI
RE8
RE8
RE8
RE8


0,25
1
0,75
0,25
3
0,75
0,25
1
0,75
0,25
RE8
RE8
DO#8
MI8
RE8
RE8
RE8
SOL8
FA#8
MI8


1
0,75
0,25
2
1
0,75
0,25
1
0,5
0,5
RE8
DO8
SI
LA
MI8
SI
SI
RE8
SOL
SOL


1
0,75
0,25
2
0,75
0,25
1
0,75
0,25
1
SI
LA
LA#
SI
RE8
RE8
SOL8
FA#8
MI8
RE8


0,75
0,25
2
1
0,75
0,25
1
0,75
0,25
0,5
DO8
SI
LA
MI8
FA#8
SOL8
SI8
SOL8
SI
RE8



0,5
0,5
2
LA
LA
SOL




H I S T Ó R I C O



Os dados foram extraídos, na íntegra, do site da SEDUC-MT, como fonte informativa para nossos estudantes de flauta doce da Escola Estadual Dr. Guilherme Freitas de Abreu Lima.

“O Hino oficial do Estado de Mato Grosso foi criado pelo decreto n.º 208, de 05 de setembro de 1983. Por iniciativa do governador Julio José de Campos, oficializando a letra do poema “Canção Matogrossense”, de autoria de Dom Francisco de Aquino Corrêa, e música do maestro e tenente da Polícia Militar Emilio Heine, cantado em público pela primeira vez durante a cerimônia das comemorações do bicentenário de fundação de Cuiabá em 08 de abril de 1919.

BREVE HISTÓRICO - Dom Francisco de Aquino Corrêa foi arcebispo de Cuiabá e governante de Mato Grosso no período de 1918 a 1922. Nasceu em Cuiabá em 1885, faleceu em São Paulo, em 22 de março de 1956. Além de ser o bispo mais novo do mundo, foi o único mato-grossense a compor o quadro da academia Brasileira de letras. Escritor e poeta, foi o grande incentivador da criação da Academia Mato-grossense de Letras e o criador do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso, do qual foi eleito Presidente Perpétuo.

A grande extensão territorial do Estado no início de sua formação, abrangendo os municípios de Ponta Porã e Guaporé, hoje respectivamente anexados ao Mato Grosso do Sul e Rondônia, justifica a referência das cidades de Corumbá e Dourados na letra do hino mato-grossense. Mesmo havendo o desmembramento dos estados (criação do Mato Grosso do Sul) o Mato Grosso continuou sendo o terceiro maior estado brasileiro.
Durante longa data, o hino, mesmo não sendo oficial foi cantado nas escolas; a não-oficialização do hino possivelmente tenha ocorrido por fatores políticos diversos advindos dos sucessores de Dom Francisco de Aquino Corrêa. Com a implantação do “Estado Novo” todos os símbolos oficiais do estado foram abolidos, restabelecendo-se seu uso em todos os estados, sendo que Mato Grosso só apresentava como símbolo a bandeira e o brasão de armas.


Letra: Dom Aquino Corrêa
Maestro: Emilio Heine

Limitando, qual novo colosso,
O ocidente do imenso Brasil,
Eis aqui, sempre em flor. Mato Grosso,
Nosso berço glorioso e gentil!
Eis a terra das minas faiscantes,
Eldorado como outros não há
Que o valor de imortais bandeirantes
Conquistou ao feroz Paiaguás!

(BIS)
Salve, terra de amor, terra do ouro,
Que sonhara Moreira Cabral!
Chova o céu dos seus dons o tesouro
Sobre ti, bela terra natal!

Terra noiva do Sol! Linda terra!
A quem lá, do teu céu todo azul,
Beija, ardente, o astro louro, na serra
E abençoa o Cruzeiro do Sul!
No teu verde planalto escampado,
E nos teus pantanais como o mar,
Vive solto aos milhões, o teu gado,
Em mimosas pastagens sem par!

Hévea fina, erva-mate preciosa,
Palmas mil, são teus ricos florões,
E da fauna e da flora o índio goza,
A opulência em teus virgens sertões.
O diamante sorri nas grupiaras
Dos teus rios que jorram, a flux,
A hulha branca das águas tão claras,
Em cascatas de força e de luz.

Dos teus bravos a glória se expande
De Dourados até Corumbá,
O ouro deu-te renome tão grande
Porém mais, nosso amor te dará!
Ouve, pois, nossas juras solenes
De fazermos em paz e união,
Teu progresso imortal como a fênix
Que ainda timbra o teu nobre brasão.”